terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

Pergunte que Madame responde



Prezada Madame Ke,

Diante da sua fama que corre o Brasil e o mundo, venho pedir o seu fundamental aconselhamento.

Sou uma mulher de boa aparência, jovem, formada, tenho um bom emprego e moro só. Ou melhor, morava, porque há mais de um ano meu namorado, depois de ter sido jogado do caminhão de mudança pela sua mãe, a minha querida sogra, passou a dividir o mesmo teto com a minha pessoa. E só. Só o teto mesmo é o que ele divide, Madame: condomínio, conta de telefone, feira, luz, nem confiança.

Quando eu, muito sutilmente, toco no assunto, ele desconversa, diz que está passando por um momento difícil e que, inclusive, é isso o que está ocasionando o problema que estamos tendo - nem preciso dizer a que móvel do quarto estou me referindo, né, Madame? Diz que quando mudarmos pra outra cidade ele me sustentará e com isso vou ficando mais tranqüila e feliz com a nossa vidinha. Tá certo que cortei meus tão amados extras: cinema toda semana, CDs, DVDs e livros, roupinhas básicas, maquiagem e outros, mas como ele diz que sou linda, informada e inteligente de todo jeito, percebo que tudo isso é supérfluo diante do nosso amor. Temos um ao outro e isso basta.

Mas, Madame, de vez em quando perco o sono, especialmente quando me encontro com algumas amigas que hoje raramente vejo: elas insistem em dizer que ele não passa de um gigolô! Pura maldade, mas isso mexe comigo!

Por favor, Madame, me auxilie do alto da sua vivência e sapiência.

Eternamente grata,

N.
Recife - PE

(Madame pousa delicadamente a sua xícara fumegante de chá do Ceilão e suspira):

Prezada consulente,

Em primeiro lugar, mantenha-se calma e serena, só assim você poderá recobrar as suas há muito ausentes faculdades mentais.

Meu conselho para você não se baseará nos preceitos científicos e psicanalíticos que costumam conduzir os meus trabalhos, mas, sim, numa conversa entre amigas, daquelas em que passamos horas sem nos dar conta do tempo, numa troca de energia além do Ser. E do Estar. Coisa filosófica, as essências nas alturas mesmo, as aparências, idem, porque ninguém é de ferro e ser Bela também enleva, ora bolas.

Querida, ouça o que eu lhe digo: faça as trouxas desse cabra safado e mande-o pegar o beco antes que seja tarde. Eu, sendo você, anotaria tudo num caderninho (só de saída, pelo jeito): a alimentação do traste, a pinga que ele bebe escondido de você - procure as garrafas vazias atrás dos produtos de limpeza que você acha -, as horas que ele passa na Net utilizando a sua banda larga (no bom sentido) pra navegar em site de putaria, enfim, fia, anote tudo porque com essa contabilidade, você ganha qualquer ação indenizatória na justiça, que tarda e falha, na maioria das vezes.

Se o distinto pelo menos desse conta do recado, eu até ficava calada já que tem gente por aí matando cachorro a grito, mas não é bem o caso pelo que você dá a entender. Aliás, fora a grana, essa é a única coisa que você tem dado ultimamente... Pelo visto, bom de cama pro seu querido quer dizer apenas deitar, dormir e roncar! Corra, N., corra!

Se a mãe que pariu Mateus dele quis se livrar (e conseguiu!), coisa boa daí não há de sair, querida. E não acredite nas suas promessas vãs, o máximo que vocês farão é uma viagem ao Canadá, não ao país, claro, mas à fazenda de um certo pecuarista jogador de rugby, onde as despesas ficarão por conta... sua, evidentemente, que bancará o combustível. Lá, você sabe, a confraria vai imperar e o famigerado coronel fornecerá carne e leite, dieta altamente protéica (e única!) que vocês consumirão nesses dias de repasto amoroso.

Do alto da minha milenar experiência, aconselho você, minha prezada N., a livrar-se desse traste o quanto antes, desse adorno de sofá - vai ver que nem a tampa da privada o folgado abaixa -, dessa macumba largada na encruzilhada da sua vida.

Aguarde a próxima Lua Minguante, vá ao Mercado de São José e compre defumador Espanta Corno, barrufe a casa com sal grosso diluído em Toque de Amor, da Avon, e confira o resultado. Num prazo máximo de vinte e quatro horas, o encosto baixará em outra freguesia.

Atenciosamente,
A Divina, Etérea e Incomensurável,

Madame Ke, A Lenda, O Mito.

Madame Ke é uma personagem mítica, diáfana e refratária que desvenda os mistérios e segredos do ser humano com a graça e a ternura de que apenas as Deusas são capazes.
Mandando o politicamente correto às favas, abra seu coração! Pergunte que Madame responde.


Kenia, seu cavalo e secretária.

7 comentários:

Anônimo disse...

Juro que li e li e li... e num tindi nadica rsss
Mas Toque de Amor da Avon é pura maldade... afff!
bj
R.

Nadja Granja disse...

Eu tendi... tem muitas muleres (bestas) nessa situação.

Mas eu vim mesmo foi comentar sobre o Toque de Amor da Avon kkkkkkkk A Mme desenterra cada coisa que afff Maria!!!!

Beijo
Naná

Mani disse...

Madame Ke é um oráculo poderoso!!!!

Pernambucobebendoparaomundo disse...

O "toque de amor" supera "Promessa"?

Kenia Mello disse...

Bob Esponja, Promessa é pra desaqüendar sogra e não corno. :)

Repórter Bacurau disse...

Madame,

Você não vale uma cocada! De sal!

Anônimo disse...

Madame é a minha gurua 4ever!rsrsrsrs

Bjos e []s

Ivette Góis