terça-feira, 18 de março de 2008

Barbárie


GOIÁS
Garota torturada por mãe adotiva
Publicado em 18.03.2008

Silvia Lima foi presa ontem acusada de manter a menina, de 12 anos, em cárcere privado e submetê-la, entre outras coisas, a enforcamento e afogamento

GOIÂNIA – A Polícia Civil de Goiás prendeu ontem, em flagrante, a empresária Silvia Calabrese Lima, 49 anos, acusada de torturar e manter em cárcere privado uma menina de 12 anos, que teria adotado irregularmente. Os policiais foram avisados por denúncia anônima e libertaram a garota, que estava acorrentada e amordaçada num apartamento no Setor Marista, bairro nobre de Goiânia.
A menina foi encontrada com ferimentos e cicatrizes por todo o corpo, queimaduras de ferro nas nádegas, cortes na língua feitos com alicates e as unhas das mãos esmagadas – seus dedos foram prensados nas portas. A cena levou os agentes às lágrimas. “Ela me afogava no tanque, apertava minha língua com alicate, me enforcava com fio e me deixava amarrada na área de serviço”, relatou a menina.

A empresária – que tem três filhos, de 3, 20 e 21 anos – reagiu irritada à prisão. A polícia também prendeu sua empregada doméstica, Vanice Maria Novais, 26. Segundo a delegada Adriana Accorsi, da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), a própria menina denunciou a doméstica.

“A menina confirmou que a empregada também a agredia, e que uma vez a forçou a ingerir fezes e urina de cachorro”, disse Adriana. Vanice se defendeu: “Ela (a patroa) é que me mandava amarrar a menina e passar pimenta nos olhos dela”.

A polícia procura o marido de Silvia, o engenheiro Marco Antônio Calabrese. Tanto ele como os filhos maiores da empresária poderão ser processados por omissão de socorro, pois, segundo a polícia, sabiam das sessões de tortura mas não as impediam.

A menina foi submetida a perícia e encaminhada ao Conselho Tutelar para acompanhamento psicológico. Ainda em estado de choque, ela contou que os maus-tratos começaram há seis meses. Uma agenda apreendida relacionava as tarefas domésticas – algumas de madrugada – a serem cumpridas por ela. A garota contou que, quando não conseguia, era torturada com métodos que incluíam ainda afogamento e privações de água e comida.

No apartamento foram apreendidos dois alicates sujos de sangue, duas correntes e cadeados usados para prender a menina, fios e arames usados nas sessões de tortura. No flagrante, a polícia filmou a adolescente presa a uma escada de ferro no terraço do apartamento e amordaçada com esparadrapos.

A polícia apurou que a menina foi deixada pela mãe com a empresária há dois anos, para estudar em Goiânia. Ela cursaria a 6ª série, mas não freqüenta a escola desde o ano passado, porque foi reprovada por faltas. Segundo a delegada, não houve processo formal de adoção. A menina revelou que a mãe mora em Pires do Rio (a 240 quilômetros de Goiânia) e o pai, na capital. A polícia busca a família. Na delegacia, ela disse que quer voltar a viver com os pais.

A empresária e a doméstica foram autuadas em flagrante e devem responder por tortura e cárcere privado. A pena prevista é de até 24 anos de prisão.

Fonte: Jornal do Commercio

De embrulhar o estômago.

8 comentários:

Anônimo disse...

Uma "pessoa" que pratica uma selvageria dessa não pode ser normal e deve sim ser excluida da sociedade,ficar o resto dos seus dias enjaulada e fazendo trabalhos forçados pra pagar o teto e a comida q come.Covarde!

Anônimo disse...

Caramba!Quanta covardia!
Isso é fichinha para a imaginação doentia até do autor de "Jogos Mortais".
Ali que é ficção dá náusea, imagine na vida real.
24 anos?! Que é isso?!! Devia ser prisão perpétua!!! Para as duas mães-a biológica e a adotiva- a empregada e os dois filhos maiores.
Estou indignada!
Regina

Anônimo disse...

Se houvesse Justiça mesmo, as mesmas torturas seriam feitas nessas duas miseráveis. Chega de impunidade!

Silvia Mendes, São Paulo

Anônimo disse...

daqui a alguns meses isso vai ser esquecido e essa mulher´como é rica, vai ficar na boa. No fim quem vai se estrepar é a empregada. Ô país sem futuro e sem leis!!!!!

Sérgio Luis
Mogi das Cruzes

joseluis disse...

pqp

Anônimo disse...

Minha gente...neste ponto eu costumo ser muito fria. Não acho que esta mulher deve ser rotulada por nós como LOUCA. E sim como uma criminosa que deve apodrecer na cadeia.Espero que nossas autoridades não fechem os olhos para este fato.

Tatiana Aparecida Rodrigues Monteiro

Anônimo disse...

Meu Deus!Onde esse mundo vai parar.
Esse foi apenas um dos casos, que , daqui a alguns meses será esquecido pela nossa tão competente justiça.
Pessoas assim não deveria ter julgamento, deveriam ir direto para a cadeia, pegar pena máxima.
Pena que isso não acontece(principalmente pela mulher ser de uma classe social elevada).

Karen

Anônimo disse...

uma pena tem nao tem pena de morte nesse pais porque pra esse tipo de ser nao tem outro jeito tem quem acabar. porque daqui aalguns anos ele pode ta na rua com um induto do dia das maes voces duvidan no brasil ela e rica lembra