sábado, 5 de julho de 2008

Aos pedaços



Sempre sinto uma tristeza tão grande quando vejo essa moça cantar...





Rock in Rio Madrid, 2008

12 comentários:

Sweet! disse...

Ixe, tb gosto não...

Kenia Mello disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Kenia Mello disse...

Mas eu gosto dela, acho que de todas essas cantoras da nova safra ela é a melhor, a mais talentosa, gosto muito da sua voz. Mas a sensação de desamparo que ela me passa é total.

Lilás disse...

Com certeza é uma das melhores dos últimos tempos, adoro sua voz, mas quano a vejo, realmente sinto um misto de admiração (pelo talento) e pena (por ser drogada).
Ela durará muito pouco neste mundo.
Pena!

jose luis disse...

eu tambem
eu tambem

Repórter Bacurau disse...

Amy é maga, branquela, inglesa, cara de azeda, mas tem uma voz maravilhosa de negona americana.

Pena que tenha tendências suicidas...

DJ disse...

Amy Winehouse é já uma lenda da música mundial. Fui vê-la em Lisboa e não posso dizer que tivesse ficado desapontado. Claro que quando vamos a um concerto esperamos sempre ouvir a alegada bela voz que o artista tem e ver uma actuação fantástica, etc. Mas o concerto a que assisti da Amy Winehouse foi memorável noutro sentido: Amy deu um exemplo de sobrevivência em palco! Estava esgotada, desfeita e sem força no corpo. Aguentou-se em palco, não desrespeitou o público, contactou com ele, e deu o seu máximo para brindar o público com alguma coisa de jeito. O marketing obrigava-a a ir ao palco. Ela foi e deu aquilo que tinha e o que não tinha. Pode não ter sido grande coisa na prática porque só cantou 3 músicas como deve ser, mas para mim ela foi um exemplo de sobrevivência, de luta, de quem deve dar o seu melhor até que não lhe restem mais forças. Mais do que um concerto, para mim, a actuação de Amy Winehouse em Lisboa foi uma lição de vida! Se quero ouvir vozes certinhas e perfeitas meto o CD a tocar, "et voilá"! Amy Winehouse deu um concerto... diferente daquilo a que estamos habituados, e voltaria a dar 53 euros para a ver actuar.

Os seus concertos são sempre muito curtos: tem 2 álbuns apenas, e as actuações resumem-se a 55 minutos, onde ainda faz uma cover.

Infelizmente, os seus dias caminham para o fim. Eu aposto que ela, tal como Kurt Cobain, Jim Morrison, Janis Joplin e Jimi Hendrix, vai juntar-se ao grupo dos "27", daqueles que morreram com 27 anos de idade e são lendas da música. Tenho pena. Um talento e um génio destes mereciam uma longa carreira repleta de sucessos. AMO ouvir Amy Winehouse! É simplesmente brutal... esta mulher é sensacional! Não reparem nos escândalos, nas drogas, etc. Se formos por aí não vamos gostar de nenhuma banda, dado que praticamente todas têm escândalos com bebida e drogas. Vejam o talento... vejam a banda! Parem para ouvir os instrumentos, as vozes, e todos esses pormenores que nem sempre reparamos. A banda de Amy Winehouse é perfeita: com uma verdadeira orquestra que utiliza todo o tipo de instrumentos e os complementa num R&B, num Soul e também num pop de uma forma a que não estamos habituados a ouvir em mais nenhuma banda. A isto junta-se a voz do dueto que actua com ela, a todos os níveis espectacular. Por fim, quando ela está nos dias dela, aquela voz fascinante e cativante torna-a a ela e à sua banda numa das artistas mais completas das últimas décadas. A nível coral e instrumental, só me recordo de algo semelhante nos Queen.

Beijos!

Força Amy! Espero um dia ver-te em grande! Já te vi no fundo do poço, agora quero ver-te em grande!

Nei Ken iti disse...

É a Janis do século XXI.

Enterrada Viva again.

Kenia Mello disse...

Não, o que são aqueles backing-vocals de Amy? Os caras cantam e dançam muuito! Os músicos dela são ótimos, tocam com a cara feliz, talvez cientes de que fazem parte de uma coisa maior. E sinto um cuidado com ela também. E é algo do tipo paternal mesmo. Porque é essa a sensação que ela me passa: desamparo emocional. E isso não tem a ver com as drogas, não. Não levo a coisa pra base do comentário "ah, ela está se perdendo pras drogas". Que está, está. Mas as drogas, de um modo geral, são a conseqüência dessa bagagem emocional tão doída dessa moça.
O modo angustiado como ela intepreta suas músicas me lembra muito Elis, que se dilacerava e chorava no palco quando interpretava passionalmente suas canções.
Sim, a voz de Amy está fraca, mas, como disse Alex, quando ela canta... Ai, ai... É uma diva como só de tempos em tempos aparece.
E também compartilho com Alex a idéia de que ela dá o melhor de si, mesmo isso não correspondendo ao máximo do que ela poderia dar.

DJ disse...

Rumores apontam no sentido de estar para sair o seu terceiro disco cujos temas andam em torno da morte e do suicídio, dado que terá alegadamente sido planeado em meados de Março/Abril, altura em que Amy esteve nas últimas.

Mani disse...

Ela me parece tão perdida...

Lilás disse...

Hummm, acho que acabamos de fundar um fã-clube da Amy.
Todos a adoramos e sentimos muito pela sua vida desastrosa.
Espero que ela veja a luz um dia e saia fora desta loucura que é a droga.