sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Cara-Pé-Cu



Minha avó tinha uma vizinha cuja buchada, iguaria light da culinária nordestina, era famosa, conhecida pelo seu inigualável sabor. Quando A. resolvia prepará-la, a notícia se espalhava e as visitas inesperadas eram frequentes. E ela se orgulhava disso: franqueava a entrada às vizinhas para que pudessem vê-la em plena atividade, limpando, costurando e cozinhando sua especialidade. Gostava de matar as pobres amigas de inveja, porque mesmo vendo tudo tim tim por tim tim, nenhuma conseguia fazer uma buchada igual.



Um dia, Dona Nau foi à casa de A. saber de alguma coisa e deparou-se com uma cena que foi determinante para que eu abominasse buchada (além do gosto, claro): encontrou A. fazendo escalda-pés. Até aí nada de mais, se não fosse o recipiente em questão:






A., que Deus tenha piedada da sua porca alma, usava a mesma bacia na qual "tratava" a buchada para lavar as frieiras...

Depois desse dia, "cara-pé-cu" tornou-se uma expressão bastante utilizada para as coisas assim meio bombril, mil e uma utilidades...

7 comentários:

Patricia Daltro disse...

Menina, eu já não suportava buxada de bode, o cheiro, a aparência, tudo me deixava enjoada, com sua história, a coisa ficou pior! kkkkkkkk

DILERMArtins disse...

Mas bah, guria.
Que nojo!
Quando morei em Alagoas, cheguei numa quarta e no sábado já fui convidado para uma buxada de bode.kkk
O pessoal dizia: Se não gostar pode comer só o churrasco...
Mandei ver na buxada!

Chica disse...

rssssssssssss...credo!!! Só rindo!!! beijos,tudo de bom,chica

Cristiana disse...

Menina,o blog de vento em popa e eu no desconhecimento...!

Nei kS disse...

entre a panela e o penico, vã fisiologia.

Kenia Mello disse...

Pois hoje penso que o up da buchada estava justamente no cara-pé-cu. Hehehe

Ivette disse...

Ô buchadinha nojenta!rsrsrsrs
Mas vai ver q o toque era esse mesmo,Kenia.

Bjos e []s