sexta-feira, 11 de abril de 2008

They tried to make me go on a diet, but I said 'no, no, no'

Petiscos vindos das Nederlândias





Os Côte d'Or são belgas, o Milka, suíço - o gosto é bem diferente do produzido no Brasil e na Argentina.
E o que é tipicamente holandês e também o meu favorito: Pindarotsjes - joga-se chocolate quente em cima de amendoins (pinda, em holandês) e depois, quando endurecem, são quebrados, formando pequenas "rochas" de choco. Delícia!





Na parte de cima, queijo (kaas) Goudse (de Gouda - a cidade holandesa onde é produzido. Aqui no Brasil ele é conhecido como Gouda mesmo) oud (envelhecido, curado - por, no mínimo, um ano). Depois, carne bovina defumada; mais um Gouda só que não tão curado quanto o Oud; o rolinho é patê de fígado de porco (Mariana ama! Tanto que, desde pequena, qualquer presunto para ela era "Pips" - não sabia chamar Kips, que é a marca do patê).
E finalmente, a estrela do carregamento, isso que quando Paul come, parece que passou pelas portas do céu: a embalagem aí embaixo. Trata-se de nada mais nada menos que carne de cavalo defumada... Ecaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa!
É um frio super típico de lá e o gosto é igual ao de carne bovina, mas só de saber que é de cavalo já me dá agonia.
Se bem que quem come carne de charque por essas bandas nem deveria ter nojo...

2 comentários:

Repórter Bacurau disse...

Eita gota serena...

Kenia Mello disse...

O bom é que depois de comer, o relincho fica mais potente. Inrin.