quarta-feira, 7 de maio de 2008

Sai daí, menina!




Quem tem blog quer ser lido, não é mesmo? Lido e comentado, de preferência, porque não tem graça falar sozinho. Eu penso assim e não tem nada a ver com popularidade ou algo que o valha. Particularmente, gosto da troca de idéias, gosto do contraditório e de ouvir o que os outros têm a dizer, independentemente de concordarem comigo ou não.

E tenho observado algo interessante ultimamente. Quando escrevo textos sobre assuntos como amor, dor e rancor (só pra manter a rima pobre), os comentários e queixumes e ais pululam. Quando falo sobre questões sociais, entretenimento e afins, idem. Mas quando toco em assuntos como o debate da legalização da maconha, religião e seus opiáceos tentáculos dominicais e comportamentos sexuais tidos como de desvio, as bocas se calam, os dedos escondem-se nas mãos como gatos enrodilhados em dias de frio.

Seria isso medo de exposição? Receio de não parecer bacana, legal e descolado por discordar dos meus pontos de vista? Pois querem saber? Isso tudo é bobagem e não dá para levar muito a sério porque escrevo o que me vem à cabeça e ela nem sempre está funcionando bem. Mas aí pergunto pra quem acha que escrever num blog é um
exercício de representação: em que minha vida seria afetada caso algum leitor desse blog pensasse que, por eu ter falado sobre a Marcha da Maconha, por exemplo, eu seria usuária da Cannabis? Eu até poderia dizer que já fumei (mas não traguei, lógico!), mas querem saber? Há muito tempo estou cagando para o que pensam de mim. É um exercício penoso, sujeito a recaídas, porém sigo achando que é o melhor a ser feito.

Como reivindicar liberdade de expressão e respeito à diversidade se eu mesma não mostrar o que eu penso, sinto e espero sem meias palavras, rodeios e preocupação com a opinião alheia? E o fato de alguém discordar de mim não tem importância também. Não tenho (aquela velha) opinião formada sobre tudo, há muitas perguntas sem respostas, muitas coisas a saber, entender e ver. Desde que a discordância com relação às minhas posições e às dos demais comentaristas seja feita de maneira educada, estamos no lucro.

Por essa blogosfera afora, tenho visto alguns blogueiros, muitos deles renomados, gente inteligente, culta e capaz, tratando seus leitores com desdém e sarcasmo pelo simples fato de os estúpidos não concordarem com seus pontos de vista deveras embasados, inusitados e sapientíssimos. Para respaldar essa conduta, dizem que o
blogueiro tem todo o direito de fazê-lo porque o espaço é seu, que gente estúpida e medíocre tem mais é que se foder e coisa e tal. Mas no dia que só rola um comentário no blog da sumidade, vem piti de tudo quanto é lado: que o leitor só gosta de ler amenidades, que quando vem um texto teórico o povo some, que o nível dos leitores já foi melhor e tome carência afetiva...

Resumindo e encurtando a conversa, aqui desse mal vocês não morrem, amados leitores. Só não venham me xingar com palavras de baixo calão porque, como manda a má etiqueta, tem volta e o meu repertório é vasto. No mais, fiquem à vontade.


Fotografia: Flickr

16 comentários:

Anônimo disse...

eu venho aqui porque gosto do que vc escreve e do jeito que escreve. Na maioria das vezes concordo, em algumas não, mas isso faz parte pq somos pessoas diferentes com visões de mundo diferentes. Mas o q mais gosto nos seus texto sejam de amor/dor/rancor e todos mais é q vc é verdadeira,não faz tipo e isso dá credibilidade.
Gosto daqui e fim. rsrsrs

Ah, e o q era uma coisa leve virou caso de manual de etiqueta é? Mue sais!rsrsrs

Bjos e []s

Ivette Góis

Liz / Falando de tudo! disse...

Eu nao nao vou te julgar porque voce esta "cagando" pra que eu penso...(esta é uma palavra q nunca vai entrar no meu vocabulario falado)
Eu gosto dos teus textos porque sao naturais...normais, como eu...
Mas tentar tirar a atençao dos blogueiros com palavras de "baixo calão" nao vai fazer a diferença, porque pelo teu perfil a gente conhece..que tu es..o que tu es!!
et voila...c'est toi!

Kenia Mello disse...

Liz, querida, respeito a sua opinião e em momento algum estarei cagando pra você, reservo isso não para quem pensa diferente de mim, mas para quem me julga a partir dos seus próprios preconceitos.

Fico feliz que você goste dos meus textos, suas impressões são sempre bem-vindas.

Quanto a determinadas palavras não fazerem parte do seu vocabulário, estou de pleno acordo com a sua escolha. Da mesma forma que entendo que as minhas opções lingüísticas também devem ser respeitadas: quem me lê e gosta e volta sabe que um palavrão devidamente contextualizado não soa gratuitamente. O que também não quer dizer que eu não vá usá-lo quando me der na telha, do nada. Me reservo esse direito.

E, sim, eu não só escrevo palavrão, falo também, e não vai ser alterando isso que me tornarei um ser humano melhor. Essas coisas não passam por esse nível.

A vida é assim, as pessoas são como são e longa vida para a diferença e o respeito (que pode existir até mesmo onde falam palavrôes).

Gláucio Almeida disse...

Ótimos textos, como só vc sabe escrever, com seu jeito autêntico :)

Beijos

Mani disse...

Qualquer dia desses voce me ensina alguns palavrões do seu repertório??? beijos...

Repórter Bacurau disse...

Acho que essa tua amiga aí nunca soltou um "puta que pariu" pra desabafar ou nunca mandou um aliviante "foda-se".

Acho que ela tá precisando fazer isso. Faz bem a saúde mental.

O "cagando" ficou bem contextualizado.

Anônimo disse...

Eu bem que gostaria de ter oportunidade de comentar TODOS os seus textos, porém nesses últimos dias ñ tenho acompanhado seu ritmo, devido a situações domésticas. Mas aproveito pra repetir que adoro ler seus textos principalmente por vc saber soltar o verbo com riqueza literária -e não pra fazer gênero mas por vc ser assim, e isso é que é bacana. E raro!
Qto. ao tema da folha de 7(?) pontinhas rsss eu li assim meio corrida e costumo brincar q lamento ñ ter consumido na época em que era pura poesia.
Hj apenas enquadro no mesmo rol de tantas outras práticas nocivas à saúde e que são largamente usadas nesse país de dois pesos e duas medidas onde o sistema é baseado na hipocrisia pura.

Anônimo disse...

Eitcha foi mauz!
O texto acima é meu:)
Se bem q vc já conhece "meu jeito de falar" rss
Regina

Anônimo disse...

A propósito... ainda sobrou um tempinho e aí escrevi lá no texto da Marcha em Recife :P
bjosss
R.

PUNKSSAURO disse...

Blogueiro é bicho estranho, nega. E olha que dá papo pra antropologia geral, buteco e academia, que seja.
Mas se preocupa não, tua mão é bem regida, tuas teclas certeiras e tudo magiclik.
Pior é não gostar de Amarelo Manga sem ter visto.

Kenia Mello disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Kenia Mello disse...

Ivette, flor, isso aqui já virou foi tudo, viu? :)

Gláucio, sua quarta pele já caiu?Porque praga foi o que não faltou, sabe? :P

Mani, aí depois você decide a marca do sabão pra lavarem a boca da gente, viu? Pelo menos isso acho que podemos escolher... ;)

Fábio, você gostou do meu cagando, fio? Alivia que é uma beleza. :D

Regina, como dizia Baby quando era Consuelo, baseado em mim você pode fazer quase tudo! ;)

Nei, esse povo que tem blog é um bando de sicopata (sem o p mesmo). :D

P.S. O comentário apagado aí em cima foi meu mesmo. Dã.

Álvaro disse...

Concordo plenamente, generamente, numeramente e graumente. Como não sou lá adepto de falar muito coisa a frase anterior, ou oração, ou sei lá que porra isso pode ser chamado, já diz tudo, ou se num acha que diz tudo, sei lá. Vou lá eu saber.
Também quem manda acordar 4:30 da manhã, vir pra Internet e escrever comentário num blog? Dá nisso...

Kenia Mello disse...

A Marcha passou e esqueceram um aqui. Hehehe

jose luis disse...

adoro um palavraozinho bem colocado

Kenia Mello disse...

Mais um na fila do sabão. :D