terça-feira, 18 de novembro de 2008

Medo



Tenho medo de barata, mas nada que me impeça de matá-la.
Tenho medo de não ver minha filha crescer, mas tento criá-la para que seja independente.
Tenho medo de envelhecer, mas, ao mesmo tempo, estou aprendendo a gostar mais e mais da pessoa na qual estou me transformando.
Tenho medo de perder as pessoas que amo para a morte, apesar de já ter perdido algumas e saber que o primeiro assombro nunca mais se repetirá.
Tenho medo da solidão, mas convivo bem com todas as formas de silêncio.
Tenho medo de ferir as pessoas, embora algumas vezes o faça sem querer e me arrependa terrivelmente. E mesmo sabendo que alguns o fizeram deliberadamente e sem remorso, dessas pessoas eu não tenho medo, mas, sim, pena.
Tenho medo de enlouquecer, apesar de a loucura ser fundamental para manter a minha sanidade.
Tenho medo de parecer fria demais, seca demais, debochada demais. Mas também temo por esse meu coração mole, por essa minha necessidade de buscar explicações para os erros alheios, quando muitas vezes sou dura demais comigo mesma.
Tenho medo dessa minha capacidade de riscar pessoas definitivamente da minha vida, embora saiba que isso só acontece depois de muitas noites insones.
Tenho medo de muitas outras coisas, mas descobri que o medo não me paralisa mais. Aprendi, depois de muito sofrimento e angústia, a seguir de mãos dadas com ele, sem desvios e autopiedade.

E você tem medo de quê?

44 comentários:

Paola disse...

Rá!

O medo que me paraliza é o medo de altura, me dá um trabalhão lidar com ele.
Outros medos, inerentes ao ser humano, me mobilizam, me fazem lidar com coisas que eu preferiria deixar para lá.
Depois eu volto!

PAola

Anônimo disse...

eu tenho medo de perder meus filhos e netos.E tenho medo de não encontrar um amor,nem precisa ser grande,pode ser um suficiente.

Bjos e []s

Ivette Góis

Paola disse...

Isso estava no meu email agora cedo!
Portanto medo eu tenho de altura!

O que é o medo?

O medo está ligado à preservação da vida e se manifesta diante de situações de ameaça. Ele é decorrente de uma reação física e mental que acontece quando o equilíbrio do organismo fica abalado. O cérebro manda sinais para todo o corpo quando sentimos medo. Acontece uma descarga de adrenalina - hormônio produzido pelas glândulas supra-renais. Ela entra diretamente na corrente sangüínea e provoca a aceleração dos batimentos cardíacos. O corpo fica frio e os olhos arregalados. O sangue se concentra nos músculos, preparando o corpo para a fuga.

Fatima disse...

Sempre tive muitos medos durante esse tempo de minha vida, o maior deles era perder alguém da minha família de alguma doença terrível ou de outra coisa qualquer, tinha pavor de ir ao médico com meus filhos e meu marido, com medo de receber um notícia ruim, e isso aconteceu um dia, sem mais nem menos meu marido recebeu um diagnóstico de um câncer raro, que lhe tirou a vida em poucos meses.......senti o mundo desabar, porém naquele momento me senti a mulher mais forte do mundo e encarei o medo com toda dignidade e força....hoje eu não tenho mais medo de nada...nada mesmo, aprendi a encarar a todos.

Sidney disse...

Kenia,

temos vários medos incomuns (certamente, barata não e' um deles!...rrr), no entanto, um dos maiores ainda e' o de não aproveitar as lições que a vida tem oferecido/dado para que eu possa me tornar um melhor ser humano. ...dentro das minhas limitações, e' claro!

...um belo dia para te,
com carinho,

Sidney.

Creusa disse...

Kenia, adorei o tema! Me identifiquei com quase todos os seus medos. Tenho medo da loucura, medo de não dar conta das responsabilidades com os filhos, medo de ser traída, medo de não acreditar mais nas pessoas, medo da minha própria ira... Mas o medo que realmente me paralisa é o medo de escorpião! O resto, vou olhando para ele, sentindo o seu frio na barriga e o digerindo, como quando a gente come uma boa buchada! Bjão grande e parabéns pelo blog!

Kenia Mello disse...

Creusa, eu tenho medo de buchada! Hehehe
Beijos pra você.

Anônimo disse...

O que sei sobre medo em suas variáveis dá outro post rsss mas vou tentar resumir aqui em relação à minha própria experiência com o medo.
No sentido de estar assustado, alarmado, apavorado, entrar em pânico, medo significa sempre antecipar dor, castigo ou tortura, daí estar sempre ligado a uma coisa chamada ansiedade. (por isso daria outro post :P)
Inclusive isso é básico nas salas de psicoterapia, vc bem sabe.
Na minha opinião e ainda conforme a minha vivência, à medida que vivemos e vemos as situações sob novas perspectivas, esse medo passa por "mutações" sendo então neutralizado/minimizado.
(E não que não tenhamos que ter medo, medo é até bom em certo sentido, pois nos coloca em alerta diante de situações que podemos controlar/contornar/conviver).
Tem um texto muito lúcido em www.martorelli.org sobre o medo, dá uma espiada lá.
bj
R.

silvania lessa disse...

Tenho medo de perder meus entes queridos, tenho medo de morcego, tenho medo da violência generalizada, tenho medo de Zé do caixão. ;-)

Marco Y disse...

Tenho medo de parar de mudar...

Kenia Mello disse...

Marco, aliste-se nas Forças Armadas que você nunca mais pára de mudar. Hehehe

Beth/Lilás disse...

Kenia querida,
Como não sou poeta, vai aí minha lista de medos com o pé no chão:
- medo de doenças;
- medo de perder meus queridos;
- medo de avião;
- medo de grande concentração de gente;
- medo de mosquito da dengue;
- medo da Linha Vermelha e Amarela (RJ);
- medo daqueles que nascem sem terem sido queridos;
- medo dos governantes brasileiros
- medo do Caveirão e da polícia, pois não sei quem é o bandido realmente;

- medo de mostrar que tenho medo disso tudo.

bjs cariocas

Giovanni Gouveia disse...

Tenho medo do "Mesmo", que está nas portas dos elevadores:
"Antes de entrar no elevador verifique se o mesmo se encontra no seu andar"...
Medo do "Mala man":
"Mas livrai-nos do Mala Man"

Fora de brincadeira, depois que eu "ganhei" uma bala 38, que até hoje se encontra em meu joelho, eu não ando de ônibus após as 22:00h nem amarrado, apesar de 8 anos de análise...

untagani

Glicéria disse...

OI Kenia,

Tenho medo do novo, mas logo logo me adapto.
Medo de doenças , da violência e de cobra mas nada que me impeça de postar aqui no leite de cobra ( risos).
Beijos
Gli.

Ciça Donner disse...

Menina, eu também tenho MUITOS medos, alguns até bem parecidos com os seus, mas aprendi logo a nao deixar que nenhum deles me dominem. As vezes eles me paralisam, mas é só o tempo necessário para discernir entre a vida e a morte

Esperança da Luz disse...

De barata, mas também não há nada que me impeça de matar estas desgraças.
Os outros medos não identifiquei ainda.
De uma coisa não tenho medo: desencarnar. Sei que me livrarei desta invólucro carnal.
Beijos

Patricia Daltro disse...

Uia Paola, somos vitimas do mesmo medo! Também paraliso quando penso em alturas. Já paguei mico na Floresta da Tijuca, quando estava subindo uma trilha extremamente ingreme, travei. Foi necessário um guia ficar conversando comigo hooooras, para eu começar a descer (de b*nda)kkkkkkkkkk, pq eu não conseguia ficar em pé.

jose luis disse...

se eu fosse escrever sobre o medo,
eu escreveria isso

Beth/Lilás disse...

E para complementar seu interessante post, veja este vídeo lindo:

http://www.youtube.com/watch?v=8IqIHtl4LCU&feature=related

bjs cariocas

Crysthine disse...

Sou claustrofobica, grave, mas já venci esse medo uma vez q fiquei presa no elevador com meu filho pequeno. De outra vez q fiquei presa sozinha, fiz o maior escândalo e acabei com as portas do elevador hehehe

Tenho mó medo de morrer tb, e pior, de morrer sem me despedir dos meus filhos e dar todas as recomendações e falar algo q os faça sofrer o mínimo possível. Tb tenho medo (pavor) de perder um dos meus filhos. Tenho medo do futuro da humanidade, pavor de barata e mil outros medos. Ignorância e crueldade tb me da medo.

Adorei o tema! Expõe-nos, e, ao assumirmos nossos medos, penso q ajuda a superá-los.


Beijoss

Magui disse...

É uma pena que vc tenha tantos medos.Espero que consiga viver livre deles, descobrindo vc mesma.Eu não tenho medo de nada.Graças a Deus.

Anônimo disse...

beth/lilás, arrematando o q tá no video, tem uma passagem bíblica que diz assim:
"No amor não existe medo; antes, o perfeito amor lança fora o medo. Ora, o medo produz tormento; logo, aquele que teme, não é aperfeiçoado no amor."
abs...
R.

Beth/Lilás disse...

Obrigada, R. pelo complemento!

Lindas palavras.

Beijos a todos e bom dia (sem medos).

Kenia Mello disse...

Magui, pois é justamente o fato de ter medo e de não me deter diante dele(s) que faz com que eu tenha uma percepção melhor de quem eu sou, de quais são os meus limites (e limitações) e de como posso mudar, crescer ou mesmo voltar atrás.

O medo é um instinto primal, que vela pela sobrevivência. Sem medo, sem tato, sem paladar, sem olfato etc. somos presas fáceis de muitas coisas.

Ter medo e assumir esta condição liberta. Desde que não haja uma paralisia, aceitar-se em constante processo é uma das maneiras que encontro de não parar na vida, achando que já viu tudo, vivi tudo e passei por tudo. Deus me livre é disso. :)

João Eurico disse...

Magui, ter medo de nada é a prova mais irrefutável de ignorãncia. No mínimo, ignoráncia dos próprios medos.

Medo é bom e faz bem a saúde, principalmente dos dentes (e da goela como esse post demonstra).

Não ter medo não é coragem. Enfrentar o medo é que é valoroso.

Não se deixar levar pelo medo, presente, é que é sinal de fortaleza.

Não ter medo é não saber.

Para os normais, para quem tem c* (pois quem tem tem medo e quem não tem é "tapado", quasi-literari) aí vai a litania contra o medo :

Eu não temerei. O medo é o assassino da mente. Medo é a morte pequena que tráz a extinção.

Enfrentarei meu medo. Não permitirei que ele passe sobre mim ou através de mim. E, Quando ele se for, voltarei minha visão interna para olhar sua trilha.

Por onde o medo passou nada restou. Apenas EU PERMANEÇO!

Frank Herbert

Nei Ken iti Schimada disse...

Tenho medos.
Aqui, agora, e' que pessoas inteligentes e versateis como voce desaparecam da minha vida.
Virtual, porem vida.

Adoro teus poemeus.

Besos!

Kenia Mello disse...

Nei, você não se livra de mim tão cedo. ;)
Beijos.

Crysthine disse...

Aplausos ao João Eurico, pelo comentário acima.

Sentir dor física é um mal necessário. O medo seria, pra mim, a dor da alma. Tanto a dor da alma qt a do físico são imprescindíveis à sobrevivência. É o medo q nos faz ponderar, evitar riscos desnecessários.

Eu mesma não me sento no parapeito de uma janela do 5º andar, pois tenho MEDO de cair. (e duvido q a magui se sente hehe)


Discordo da R. Excessos me dão medo, mesmo os do amor. Acho q tudo na vida tem q ter limites. Não acredito em seres humanos perfeitos, amores perfeitos... são nossa busca eterna, sem garantias.

Anônimo disse...

Crys (acho q é a minha amiga artista plástica)
Tudo bem contigo?!
Olha só, não que eu apele para que vc concorde comigo rsss mas vc está equivocada, linda!
Leia novamente o que escrevi
pois no meu texto não há nada que diga que eu concordo com excessos, falta de limites e muito menos falei que acredito na perfeição humana.
Qto à perfeição da minha segunda colocação é citação do apóstolo João que se refere à relação do homem com Deus e observe que, por isso mesmo o fiz relacionado ao texto indicado pela beth/lilás.
Beijos!
Regina Farias

Lúcia Soares disse...

Temos medos em comum. Inerentes ao ser humano. Mas meu grande medo é ...não enfrentar o medo!

Luci disse...

rá! taí uma coisa que não gosto de falar... meus medos.
tenho medo deles!
bj
*
queria sonhar mais, assim de sentir, sabe? o dia foi penoso, eu que não quis falar... é um inferno chorar no meio da rua, viu?!
+ bj

Crysthine disse...

Oie Regina,

To bem sim, amiga, obrigada. E vc como está? Precisamos nos encontrar novamente.

Meu comentário foi só em cima da sua segunda postagem, qd vc se referiu a amor perfeito e por isso sem medo algum.

Eu sabia q o R era vc, pois conheço bem seu jeito de escrever (e admiro) só mantive o R pq foi assim q vc assinou. E por saber q era vc, comentei com toda tranquilidade pq podia ser contextada mas nunca julgada.
Ainda acho q perfeiçao nao existe no ser humano, mesmo a do homem com Deus e por isso falei em excesso. Tb acredito q excesso de qualquer coisa faça mal.

E desculpem, eu não li o texto da beth.

Re, beijos querida
Beijos a todos

Anônimo disse...

Crys, menina! Qto tempo! (acho q a última vez foi no niver da Mariana, né?)
Bem... peço licença p/ aproveitar o espaço e a chance de repetir que conhecer vc foi uma das coisas boas daquela nossa experiência iniciada há uns doze anos, “pioneira” em buscar novas amizades e amores (você, no setor amizade, craru :P)
PoiZé...
A coisa evoluiu, e nós aí... acompanhado esse processo sempre inacabado.
Enfim...
É bom expor os próprios medos, pois tal “confissão” já uma forma de libertação.
Vc sabe q ter medo é normal, patológico é deixar-se dominar por eles.
Mas como falei antes, é um tema tão denso que daria novo post, já que eu fui curada da síndrome do pânico que me maltratou e me escravizou durante décadas!
Mas é isso!
Temas assim são sempre instigantes porque mexem com experiências bem pessoais e conseqüentemente, convicções próprias, o que é muito saudável; e não pela vaidade pessoal ou discussão vã – já que nem uma nem outra nos leva a lugar algum - mas pq quando damos essa mexida nas gavetas, sempre acabamos fazendo uma limpeza. E ficamos mais leves! E mais dispostas para enfrentar novos desafios.
Como diria Gonzaguinha, somos eternos aprendizes!
Beijos,
Rê.

Anônimo disse...

Nossa, lendo os comentários e também o meu, lembrei que não consegui superar um medo, uma bobeira mas tenho medo, que é a música do plantão da globo, sério minha gente, fico gelada quando ouço, graças a Deus que faz tempo que não aparece....rs

Kenia Mello disse...

Regina? Fátima? nda?, mas também o plantão da Globo só traz catástrofe ou alguma merda federal (literalmente, né?). Isso traumatiza qualquer vivente, vamos combinar. ;)

Anônimo disse...

Num fui euzinha, não, mas me dá um gelo na barriga tb.
E também qdo o tel/cel toca depois de meia noite e cinco da manhã.
bj
Regina Farias

Anônimo disse...

Esse post tá rendendo rsss
bj
Regina (poxa, adoro escrever R. rss até qdo mando bilhetinhos ou deixo recadinhos na porta da geladeira, sempre acompanhados de uma rosinha e/ou uma carinha desenhada dentro da letra:)

Kenia Mello disse...

R, continue assinando R porque eu sei que R é você. :P

Kenia Mello disse...

Agora, sem floza, por favor, que isso é coisa de mulézinha. Hehehe

Anônimo disse...

Pra não dizer que eu não falei das flozas, Léo tá trabalhando bem pertim de ti, no Mar Hotel. Qdo vou deixar ele, como hj, passo de vorta, na tua porta. :)
bj
R.
(tá querendo atingir o comentário mil aqui, diga:P)

Kenia Mello disse...

E nem buzina, né, Qualidade? :P

Anônimo disse...

Eu buzino, vc que ñ identifica rsss
bj
R.

Kenia Mello disse...

Regina, vamos combinar um código, então. Hehehe

Anônimo disse...

Pronto, a buzina do Sport lá pelas dez e meia da manhã da segunda-feira :)
he he he inconfundível :P
bj
R.