sábado, 27 de dezembro de 2008

O que vocês estão lendo?






A Viagem do Elefante é uma idéia que Saramago elaborava desde que, numa viagem a Salzburgo, na Áustria, entrou por acaso num restaurante chamado O Elefante. A narrativa se baseia na viagem de um elefante chamado Salomão, que no século XVI cruzou metade da Europa, de Lisboa a Viena, por extravagâncias de um rei e um arquiduque. Dom João III, rei de Portugal e Algarves, casado com dona Catarina d'Áustria, resolveu oferecer ao arquiduque austríaco Maximiliano II, genro do imperador Carlos V, nada menos que um elefante. Esse fato histórico é o ponto de partida para José Saramago criar uma ficção em que se encontram pelos caminhos da Europa personagens reais de sangue azul, chefes de exército que quase vão às vias de fato e padres que querem exorcizar Salomão ou lhe pedir um milagre.


Ganhei A Viagem do Elefante de Natal e estou gostando muito da leitura. E é claro que recomendo, aliás, recomendo Saramago sempre!

E você está lendo o quê? Dê uma palhinha da narrativa e diga por que nos indica.

19 comentários:

Anônimo disse...

estou lendo "Marley e eu",de John Grogan e estou adorando.
Acho q a maioria conhece essa história de amor entre o louco labrador Marley e seus donos.Quem já teve cachorros se identifica de cara.E pretendo ver o filme tb.
Recomendo por ser uma leitura leve,amena mas nem por isso emocionante.

Bjos e []s

Ivette Góis

Marcelo Azevedo disse...

A viagem de Elefante"!!!!!!!!!!
Diria que Saramago é um autor elegante, sou suspeita, amo todos, de "A maior flor do mundo" atee Ensaio sobre a Cegueira!
Assim que acabar esse, que estou amando, vou ler "odo do Anjo do ZAflon

Beijocas
PAola

Marcelo Azevedo disse...

Ops!
Estou usando a identidade secreta!

Sou eu!

Beijocas

PAola

Anônimo disse...

Indicação antiga, só agora tô lendo Nephilim, de Caio Fábio D´Araújo e a razão maior - ou a curiosidade mesmo- foi ler algo diferente de tudo que eu já li dele, algo assim instigante e ligado ao imaginário.
Excelente!

Anônimo disse...

ops!
sou euzinha acima rsss
bj
R.

Sweet! disse...

O Zahir
http://maiovinteeseis.blogspot.com/2008/12/brevidades.html#links

Beth/Lilás disse...

Também tô lendo Saramago (ainda) - O Ensaio sobre a Cegueira, mas estou pensando seriamente em deixar o livro e ver o filme. Não me empolgou tanto assim. Não sei se é porque antes dele li outro autor lusitano - Miguel S.Tavares - "Equador" e que amei de paixão.
Mas, tô achando a narrativa de Saramago chatéssima.
Calma! Não precisam me jogar tomates, senão aproveito e faço uma salada. rsss
Achei a idéia fantástica e o ponto de vista também, mas
não me empolguei com Saramago e tenho dito. ponto.

Ganhei também de Natal um livro da Zíbia Gaspareto, mas ainda não comecei a ler. É sobre re-encarnação, imagino. Parece interessante, depois conto.

bjs cariocas

Fatima disse...

Estou lendo O ensaio sobre a cegueira..........não estou gostando não!!!!

Nei Ken iti Schimada disse...

Estou lendo uma graphic novel de Art Spiegelman, um desenhista novaiorquino cujos pais sobreviveram a Alschwitz e Birkenau.
Ele usou gatos e ratos, gatos nazistas e ratos judeus para contar a saga do pai, desde solteiro ate os ultimos dias no suburbio de NYC.
Americanos sao cachorros, poloneses sao porcos e franceses sao sapos.
Muito bom.

Nei Ken iti Schimada disse...

Ah, a historia dos gatos e ratos e' MAUS. Saiu pela Brasiliense.

Kenia Mello disse...

Nei, tempo já houve em que eu lia muitas obras sobre o Holocausto. O seu livro parece bem interessante, vai pra fila de espera. ;)
Beijos.

Ivette, já li Marley e Eu e também adorei. Tive cachorro (duas fêmeas labrador, por sinal) e sei como são maravilhosos, essa raça, especialmente. E a minha Hannah, que era idêntica ao Marley, ela toda estabanadona, moleca mesmo. Acho que Regina conheceu as minhas filhotas, né, Rê?
Beijos.

Paola, Beth e Fátima, como disse, sou suspeita pra falar de Saramago, mas não atiro pedras nem tomates (:P) em quem não gosta. Mesmo porque ele é o típico autor que não tem do leitor o meio-termo: ou alguém ama ou detesta Saramago.
Sua prosa, que aos meus olhos e ouvidos é poesia, é longa, seus parágrafos imensos, sua pontuação (ou falta, como dirão alguns) colabora com isso apesar do ritmo de sua narrativa ser veloz. Enfim, é preciso se acostumar com Saramago. Ensaio sobre a Cegueira é meio indigesto pra ser uma introdução a JS, eu, particularmente, indicaria Memorial do Convento ou O Evangelho segundo Jesus Cristo. ;)
Beijos.

Sweet, né frescura nem esnobismo, não, eu até tentei, como tentei e li várias coisas do Dan Brown, mas PC é ruim demais. Visguento com DB, mas nem por isso bom.

Beijos.

Beth/Lilás disse...

Mas,Kenia, querida,
se você ler Miguel S.Tavares em Equador ficará bem mais realizada com narrativas poéticas e inteligentes. Para mim, ele, Miguel, parece-me o melhor autor lusitano da atualidade.
Quem poderia melhor dizer-nos sobre isso, talvez fosse o amigo DJ lá da terrinha, não!

beijinhos imperiais

Kenia Mello disse...

Mas, Beth, são anos e anos de amor e fidelidade a JS, não tem como dizer que A ou B é melhor que ele porque o gajo é único! :) Apesar de Equador estar na minha lista desde a primeira vez que você falou sobre ele.
E Ale detesta Saramago, talvez mais por motivos políticos do que literários. Hehehe
Beijos.

Anônimo disse...

Conheci, sim! Lindos!
E, apesar da afetividade bem à vista, vc foi uma guerreira, já que superou muito bem a ausência.
Qto a Saramago eu tenho e li algumas obras, vc conhece, né?
Inclusive uma delas foi o Nuno (lá de Portugal, lembra?) que me trouxe de presente da mamãe dele: Memorial do Convento.
beijos
R.

Anônimo disse...

ops! lindas rssss
bj
R.

Ana R. disse...

Você Pode Curar Sua Vida - Louise Hay
God Alone, The Life and Letters of a Saint - Sri Gyanamata

Conrado Falbo disse...

Estou lendo "O ser e o tempo da poesia" de Alfredo Bosi. Na cabeceira ainda tem "Los suicidas" de Antonio di Benedetto e "Le festin de Babette", tradução francesa de Karen Blixen (a "versão brasileira" era cara demais).

Anônimo disse...

A festa de Babette!
Amo esse clássico e na verdade ele é de autoria da dinamarquesa Karen Blixen que usando o psudônimo de Isak Dinesen(sobrenome do pai) situou sua história na Noruega, mas depois cineastas dinamarqueses mudaram o local para uma pobre e lamacenta aldeia de pescadores no litoral da Dinamarca mesmo.
Excelente livro de cabeceira!
bj
R.

Kaká disse...

Eu estou lendo O homem no castelo alto do Philip K Dick. Ele é mais conhecido pelos de ficção científica que viraram filmes tipo Blade Runner e Minority Report. Nesse livro os japoneses e alemães ganharam a segunda guerra e o mundo foi dividido em partes. O livro, por enquanto, narra a história de 4 pessoas. Até agora eu estou gostando.