terça-feira, 21 de abril de 2009

Meu Brazil brasileiro...



Encontrar brasileiros fora do Brasil é quase sempre uma experiência interessante.

Ontem, por exemplo, fomos ao Keukenhof, aquele parque lindo, imenso, cheio de flores e que só abre uma vez por ano, na primavera, obviamente. Depois posto as fotos, lindas de morrer ou viver, whatever.

Mas voltando à nossa questão antropológica. Assim que chegamos ao Keukenhof, fomos, eu e Mariana, ao sanitário público. Trancadas na cabine, ouvimos uma mãe e uma menina falando português. Mariana, que até então estava calada, me alertou para o fato e continuou falando normalmente. Quando saímos para lavar as mãos, encontramos mãe e filha no lavatório. A menina continuou falando português, mas a mãe, que obviamente nos ouviu falar, começou a conversar com a filha em inglês...

Fico pensando no que é que leva um brasileiro, no exterior, a se cagar em presença de um nativo branco caucasiano, se sentindo culpado até por respirar o mesmo ar que ele respira, num sentimento de inferioridade que dá raiva de presenciar. Já diante dos seus conterrâneos, faz questão de criar uma barreira de superioridade, que o diferencie do brasileiro ao seu lado. Falar inglês com a filha, na cabecinha dessa criatura, era o diferencial com relação a nós. Talvez seja pelo fato de ela ser a única pessoa em terras brasilis a falar esse tão exótico idioma, a língua de um tal de Shakespeare... Pode ser, pode ser. My ass.

Ah, depois que saímos do sanitário, encontrei a figura e o restante da família. Era a mulher de George Israel, do Q.I. de Abelha.

14 comentários:

Paola disse...

Ih! Dá prá escrever um livro sobre isso!
Aqui onde eu moro só não tem pista de pouso, se tivesse era o aeroporto, tem gente de tod mundo, literalmente.
Não é que tem umas idiotas que ficam falando com o filho em inglês, sem a menor necessidade.
As crianças que não gostam de pagar mico, respondem em português, outro dia uma "ante-projeto", como chamava Carlos Drumont de Andrade naquela cronica da LAsanha, respondeu para a mãe: Aqui não é lugar para falar assim! Meu filho diria : Vixeeeeeeeeeee!
Fiquei fã da pequena monstra!

Beijocas
PAola

LuMa disse...

Falou tudo, Kenia. Não preciso acrescentar absolutamente nada no seu texto. Há anos vejo cenas como esta e tbém me pergunto a razão. Estranheza de mulheres, para ser exata...

Bom passeio e belas pedaladas! Beijos.

Nei Ken iti Schimada disse...

O brasileiro no teatro em Londres pegou no sono. O amigo londrino o cutucava sutilmente dizendo:
- "O sono é o prelúdio da morte", William Shakespeare.
- Oh, perdão - responde o brasileiro.
Dali a pouco cai no sono de novo.
- "O sono é o prelúdio da morte", William Shakespeare.
- Sim claro.
Começou a pescar de novo.
- "O sono é o prel...
- "Vai pra p*** que o pariu", Ariano Suassuna - interrompeu o brasileiro, voltando a sonhar.

Esquenta a cachola não, QI de Abelha só foi aí pra frequentar cafés clichê de roqueiro véio.
Você não, você tem história - desde Nassau.

Besos!

Beth/Lilás disse...

Gentalha, gentalha!
abs

Anônimo disse...

Afe!
Hoje entro aqui por acaso pensando q ia reler velhos textos rsss e me deparo com tanta foto legal e tanto texto idem.
Menina do céu, e eu pensando que tu tinhas esquecido - não nosso idioma rsss - mas pelo menos por um pouco esse espacinho aqui :P
Enfim!
Quem para de escrever tem comichão, então é melhor não parar... principalmente se traz novidades tão legais.
Li tudinho e curti cada fotinha!
Muito massa!
Boas férias pra vcs!
bjs pra os três!
R.

Paulinhaaa disse...

É o fim!
Eu queria de verdade saber o que passa na cabeça de uma pessoa dessas, de repente sabendo isso dava pra entender o ponto de vista da abelha.
Superioridade? Wtf??? Gente pequena...

Bjks

Anônimo disse...

Será que não foi de revolta já q a coitada ñ tem nem identidade?
Sim, pq isso de ser mulher de não-sei-quem-lá e ainda mais com um QI de quem mal produz mel, faz entrar em parafuso e aí desencadeia nesse tipo de crise. :P
bj
R.

DILERMArtins disse...

Mas bah, guria.
Dizer, o que?
Gente é um bicho estranho...Não é?
PQP, a Fulana perde a oportunidade de fazer uma nova amizade, com todas as suas possibilidade...Só pra bancar uma coisa que não é!
Boa viagem! Aproveite.

Giovanni Gouveia disse...

Quem apresentou um "QI de abelha" agora fui eu, que fui googar quem era o "famoso quem mesmo"?...

Ainda bem que a figura soube que era bem inferior a ti, e recolheu-se à sua insignificância... (prestenção nos pronomes usados, plis...)

tubbx

Kaká disse...

So agora eu vim ver a sua viagem, que maravilha!

Ah, turista brasileiro é assim mesmo, toda vez que encontro alguns eu tento conversar para trocar informações, mas quase sempre são todos muito antipáticos. Já os turistas de outros países são bem mais simpáticos, os ingleses então, adoram uma fofoca.

João Eurico disse...

Acho que o lance e ter usado o idioma inglês não foi para demonstrar superioridade. Pode ter sido interpretado assim por quem tem complexo de inferioridade. O preconceito (tem hífen?) é uma via de mão dupla.

O salto para o inglês pode ter sido pura timidez ou falta de saco. Já pensou ? Você sai daqui para a nerdelândia esperando manter contato com holandeses e até no banheiro encontra uma família brazuca ? Lá vem de novo aquele papo furado "De que parte do Brasil você é ... quanto tempo vai ficar aqui ... quando você chegou ..." ai meu saquinho ... melhor levantar o escudo do idioma e evitar esse contato.

Kenia Mello disse...

JE, se ela ao menos fosse casada com a Paula Toller, poderia até ter sido complexo de inferioridade da minha parte. Hehehe

João Eurico disse...

Minina, e eu coloquei de forma tão sutil e ainda assim vc pegou :P

sabida !

João Eurico disse...

Dá para desenhar essa parte da Paula Toller ?