domingo, 26 de julho de 2009

Agosto






Lá vem agosto
é quase agosto,
dias de agosto,
chuvas de agosto,
a ventania,
o mês de agosto,
a dor de agosto,
você em agosto
é nunca mais.
e eu, sozinha,
contando agostos
fico pensando
se foi agosto
culpa de agosto
essa saudade
que não se esgota
ano após ano
que não estanca
a sete chaves
que me consome
bem escondida
essa saudade
quando é agosto
teima em florir

6 comentários:

Varjal disse...

lindo poema!

Anônimo disse...

o q posso dizer senão sentir?Lindo demais!

Bjos e []s

Ivette Góis

Patricia Daltro disse...

Lindo e delicado esse poema. Parabéns.

Anônimo disse...

Quem diria que da pena da moça atrevida saíssem belezas também poéticas. E há mais a ser visto, pelo visto.

Cristiana disse...

Ke, esse daí você roubou de dentro de mim, confessa.
É exatamente assim, e eu passo agosto esperando setembro, que nem na música de Zeca Baleiro.
E o resto do ano temendo agosto, que na verdade é todo mês, é toda hora, é minha culpa.
Eu só quero botar pra dormir esse monstro.

Beth/Lilás disse...

Que lindo esse poema agostino!
Só não gosto mesmo dos ventos que já começaram a açoitar lá na serra esse final de semana.
beijos cariocas