terça-feira, 30 de novembro de 2010

Olha o picolé...





No meio da manhã, uns três vieram aqui na frente do prédio e, com escavadeira e tudo, arrancaram um pedaço dos arbustos que ornam toda a calçada da rua onde moramos. Agora, um furgão está na frente do prédio, letreiro ilegível (pra mim, claro), e dois cabras confabulam sobre alguma coisa que não dá pra ouvir daqui de cima, enquanto um fio, saído do furgão, entra aqui no prédio. O hall deve estar uma meleca agora que a neve começou a derreter. Acredito que o destino do fio seja a casa da senhora do térreo, que morreu já faz um tempinho e cujo imóvel está à venda. Só espero que não descubram que a mulher foi enterrada em casa e isto aqui vire um pandemônio. Sim, porque o povo destas bandas se amarra em trabalhar a própria casa no tema do IML, né? Sem contar que uma vizinhança sempre pacata pode ser uma caixinha de surpresas...

3 comentários:

Simone Westerduin disse...

Bem lembrado essa história bizarras né? virá e me mexe sai alguma coisa sobre gente que morreu a meses em casa e ninguem ficou sabendo, cada uma viu

Kenia Mello disse...

Coisas bizarras acontecem nas mais pacatas vizinhanças. ;)
Beijo.

Ivette disse...

Ave Maria,já pensou se a mulher estava enterrada nesses arbustos?Hoje Tvs do mundo inteiro estariam no seu prédio,ia ser um show,quem sabe até no Fantástico vc sairia como brasileira pra contar o que sabe.A fama,minha amiga.rsrsrsrs

Bjos e []s