quarta-feira, 27 de abril de 2011

E no café da manhã, quer o quê?






Quem acompanha este blog e/ou me conhece fora dele, sabe o quanto o final de 2009 e 2010 inteiro foram difíceis para nós.

No auge da crise econômica, eu não botava a menor fé que Paul fosse contratado, aqui na Holanda, para o mesmo cargo que exercia no Brasil (e um ano depois ser promovido, inclusive), quando muita gente tinha seus salários reduzidos ou mesmo era demitida. E tudo ocorreu de uma hora para a outra. Passamos um mês de férias aqui (abril de 2009) e nesse meio tempo, Paul fez algumas entrevistas de trabalho e tal, mas tudo muito vago. Voltamos para o Brasil e três meses depois, uma empresa liga dizendo querer uma entrevista, Paul volta para cá, faz a bendita entrevista, assina contrato, volta para o Brasil e tem até o final daquele mês para assumir seu cargo na nova empresa. Assim, vapt vupt, do dia pra noite.

Daí que eu e Mariana ficamos sozinhas de repente e lidar com isso não foi fácil porque Paul, apesar de viver viajando a trabalho, sempre foi muito presente. No caso de qualquer urgência, que nunca aconteceu, felizmente, pegar um avião de São Paulo para Recife, por exemplo, não seria nada de mais. Já do outro lado do oceano, a coisa mudava de figura...

Pois bem, minha vida virou de cabeça para baixo, tive de segurar a minha onda e a de Mariana, que se acabava de chorar por causa do pai, tive de dar conta das últimas disciplinas presenciais da minha pós-graduação, redigir meu trabalho de pesquisa em literatura brasileira o mais rápido que pude para ganhar tempo e poder me preparar para o exame de língua holandesa, que fez parte do pacote da imigração; fora as broncas cotidianas, coisas de casa etc. Enfim, eu tive de me virar em mil e sem ajuda de ninguém.

Foi nessa fase que muitas pessoas, tidas como amigas, mostraram realmente quem eram: sequer se deram ao trabalho de fazer uma simples ligação para perguntar se estávamos, eu e Mariana, precisando de alguma coisa. Apesar de na época eu ter me chocado com esse tipo de comportamento, hoje percebo que ele foi essencial porque serviu para mostrar quem efetivamente pode ser considerado amigo. E hoje eu sei quem é quem.

Engraçado agora é ver que esses "amigos" se dividem, em relação a nós, em duas categorias: os que estão com algum problema e acham que nós temos obrigação de ajudá-los (e ficam magoados quando acham que não estão sendo prontamente atendidos por nós, os insensíveis!) e aqueles que vivem mandando recadinho em MSN, Facebook, Orkut, e-mail etc., dizendo que, em breve, vêm nos visitar -- ficando hospedados aqui em casa, claro. Ah, meu, vão tomar no cu, sim?


15 comentários:

Kenia Mello disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Kenia Mello disse...

testando

Kenia Mello disse...

Ivette, tente comentar agora, acho que está tudo normal, veja aí.

Anônimo disse...

:( nada, desde de manhã q tento...

Anônimo disse...

Oba, consegui agora!
Mas esse povo é mesmo cara de pau heim? Sempre acham q os próprios problemas são maiores q os dos outros. E ainda querem ficar na sua casa, Kenia? Manda uns links de uns hotéis daí par ver se manca... É cada uma!

Bjos e []s

Ivette Góis

Anônimo disse...

se se mancaM, eita q hj tá danado!rsrsrs

Rydi disse...

Oi kenia, eu sei bem o que é isso, há um tempão que aprendi a desligar o botão do f***-se. A gente acaba ficando intolerante à certas coisas mesmo.

bjs!!

Luciana Vannucchi de Farias disse...

Pô, eu ia perguntar se tinha um cantinho pra me hospedar aí na sua casa :PPPPPP

Falando sério: difícil ter que ser supermãe, né? Cuidar de tudo e ter que ser forte, segurar a onda da saudade e seguir em frente; ainda bem que agora isso tudo passou e vocês podem estar juntos!

Beijocas!!!

manu disse...

tava dando uma sacada no teu blog quando me deparei com esse texto. sei de cadeira o q é isso. portanto somos duas no mandar tomar no cu ! beijo

Anônimo disse...

ooooooooooooooou coisa feia!

povo egoísta!
não querer dar hospedagem grátis
para os amigos.

Kenia Mello disse...

Anônima recifense recalcada, hospede na sua casa, então e pare de comentar idiotices neste e em outros posts. Aprenda que mesmo a internet sendo um espaço público, você não é bem-vinda aqui, imbecil.

Ivette disse...

Ixi, os sem-nome voltaram,heim? Basta vc começar a postar e as criaturas das trevas ressurgem, é muito amor... rsrsrs

Bjos e []s

Kenia Mello disse...

Deve ser mesmo, Ivette. Recife se acabando de chuva e a criatura perde mais de 32 minutos da vida dela aqui no blog tirando ondinha sem graça, coitada... Mas amor é assim mesmo, não tem explicação. Hehehe

Sweet! disse...

Esse post me lembrou perfeitamente aquela do Eric Clapton: "nobody knows you when you down and out". Né? Mas é isso msm, a vida é exatamente assim. Bjinhos.

Kenia Mello disse...

Sweet, a mais pura verdade. Aí como nego sabe que comigo não tem boquinha, fica se convidando com Paul, que é beeeem mais tolerante do que eu... Hehehe
Beijos.