sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Ele: o vizinho de cima



Bem, parece que o meu vizinho de cima virou uma personagem famosa, hein? Vou tirar a criatura das sombras e dar o resumo da ópera (bufa) para vocês.

Eu tenho trauma de vizinho de cima. Parece karma. Antes dessa pessoa chegar, moravam um casal e um filho, que era um cão chupando manga e engolindo o caroço danado: fazia muito barulho a qualquer hora do dia ou da noite. Para minha sorte, o casal queria outro filho e decidiu mudar para um apartamento maior. Nem preciso dizer que chorei lágrimas de crocodilo, né? Pois sim.

E para coroar a minha glória e regozijo em vida, quem comprou o apartamento foi um senhor de seus 70 anos, sem família que morasse com ele, tendo apenas uma funcionária cuja folga ocorria nos fins de semana. Perfeito, concordam? Vão vendo...

Pois o meu novo vizinho (que é o atual cujo nome está dentro da bem costurada boca de um sapo-cururu) revelou-se um sujeito arrojado: tem uma vida social muito boa, recebe muitas visitas, faz hidroginástica complementando com caminhadas na praia, enfim, é um triatleta.

Mas, como nem tudo é perfeito, ele tem um problema: padece de insônia! De modo que a partir das 22h o cidadão começa a arrastar os móveis (essa é a terceira modalidade esportiva que a criatura pratica)e só acaba quando o Drontal ou qualquer coisa que o valha deixa. Se isso é o ruim, tem o pior: o arrastar de móveis é no quarto dele. Se isso é o pior, tem o péssimo: o quarto dele fica em cima do meu!
E eu fico aqui desejando ser uma mosca (tsé-tsé) e subir até o quarto dele para ver a disposição do mobiliário e entender a razão pela qual esse homem faz tanto barulho.

E nem inventem de ficar com dó do traste e parar de colaborar com as idéias malignas, sim? Quem tiver pena que troque de casa comigo por uma semana e veja...

Já tentei de todas as formas contornar o problema: conversei com ele amigavelmente. Nada. Comuniquei à síndica. Nada e ele ainda negou que o barulho fosse de lá. Fiz uma ocorrência no livro de reclamações que vai para empresa que administra o condomínio. Nada e o safado continuou dizendo que não era de lá.

Na última vez que liguei para a portaria para reclamar, a criatura interfonou para mim, repetiu que não era lá, me chamou de louca e ainda desligou o interfone na minha cara! Só falta agora eu chamar a polícia. E não está longe. Daí que vocês não se espantem quando a imprensa pernambucana noticiar que uma mulher, espumando, chegou na delegacia com os dentes cravados na canela de um senhor da boa idade. Eu não sou louca??

16 comentários:

Anônimo disse...

como vc mesmo diz,quem não conhece q compre,né?
Perder noites de sono por causa da insônia alheia,ninguém merece.
ah, qdo vc e a canela dele forem para a delegacia,não esqueça de postar uma foto.rsrsrs

Bjos e []s

Ivette Góis

Crys disse...

Eu tenho uma idéia! Mude-se para o apt em cima do dele! Ah! E não esqueça de comprar os sacos de bolinhas de gude, aqueles de 5kg.
Ah! E pra ficar melhor, retire o rejunte de seu novo apt e ligue a mangueira. Não esqueça de colocar um pigmento vermelho q é pra ele saber como ficaram os seus olhos nos tempos em q vc morou embaixo dele.
hahahaha
Beijos
Crys

Renata Komuro disse...

Eu que não queria ser tua vizinha: nem de baixo, nem de cima, nem adjacente, kkkkkkkkkkkkkkkkkkk!

Mas o meu conselho é: Mudar pra uma cobertura; melhor impossível!!!!!!!!!!!!

Anônimo disse...

Sou solidária e até te entendo.
Em parte:)
Pois não é que a minha vizinha de cima tb curte essa modalidade esportiva?
É um tal de arrasta pra lá, arrasta pra cá em qualquer hora.. mas do dia! ufa!
Até a Ellen (não a Roche, mas a Cristina, minha empregada) mostrou curiosidade acerca da disposição dos móveis e tipos e afirma q qualquer dia vai lá conferir.
De repente... ela até resolva, pois creio q nem seja a dona, mas alguma colega de trabalho da Ellen.:)
bjão
R.

Kenia Mello disse...

Ivette, pode deixar que as fotos serão distribuídas nas mídias impressa e eletrônica. A glória e o apogeu dessa sua amiga aqui. Hehehe
Beijos.

Crys, seja bem-vinda, criatura! Falou em tinta, é contigo mesmo, né? Hehehe
Você acredita que o menino que morava antes tinha umas, mas das grandonas? Tenho sorte com vizinho de cima, não, fia.
Beijos.

Renata, pelo jeito, você deve ser uma peste de vizinha, né? Hehehe
Modéstia à parte, meus vizinhos não têm do que se queixa: aqui em casa a turma é pobre, mas é limpinha. Hehehe
Beijo.

Regina, se o babado fosse de dia, eu ficava calada já que a criança aqui de casa não dorme mais de tarde. Mas à noite, fia, é caso de puliça.
Beijos.
P.S. Muito chique a sua Ellen Cristina, viu? Lembrou-me de uma amiga de Sampa cuja empregada se chamava Pâmella (com circunflexo mesmo Suellen.

Erando disse...

Minha irmã (prima) tô curioso pra saber o q o véio faz com tanto arrastar de móveis :|
Qto a tua mordida, é bom q não tens vacina contra raiva e o véio morre logo...hehehehehehehehehe

Xêro!

jose luis disse...

taca fogo nos moveis dele

Repórter Bacurau disse...

Você mesmo falou que o véio é ativo: é que a cama dele range a noite inteira por conta do movimento de virar de um lado pro outro...

Se não for isso, o apê do véio é malassombrado! Vareite!

Melhor é fazer que nem o Coronel Yanossauro: se mudar de vez pro meio do mato. Lá não tem vizinho mala!

Maurício Alves disse...

Kenia;
Isso é praga, acontece no Brasil de uma ponta a outra, onde quer que exista um edifício. Já passei por isso, sei como é.
Como dizia a música, "jogue as mãos para os céus" por seu vizinho ser apenas um sr. um tanto hiperativo para a idade. Pois no dia em que forem adolescentes universitários, terá festa todo fim-de-semana... Desses, o bom-senso e a civilidade passam longe. Já experimentei a vizinhança deles em vários apartamentos adjacentes ao que eu morava. E te garanto: é bem pior.

lola aronovich disse...

Pô, Kenia, vc tem toda a minha solidariedade. Não tenho conselhos pra te dar sobre como resolver esse sério problema, já que não consigo resolver os meus com os meus vizinhos. Aqui em Joinville eu moro em casa, e prefiro, porque há mais privacidade, tem o jardim, os bichinhos podem correr à vontade. Há desvantagens tb, claro, mas, de um modo geral, em matéria de barulho, DEVERIA ser menos pior que apartamento. Deveria, mas no caso de meus vizinhos, não é. Eles acham que a rua é deles, e se reúnem pra tomar cerveja (com menores de idade) até ficar bêbados. Como é mais divertido fazer isso com barulho, eles colocam as caixas de som na rua, e ligam no volume máximo. Já tentamos de tudo: conversar educadamente, conversar não tão educadamente, abaixo assinado, polícia, ministério público, etc. Nada. Eles já me ameaçaram de morte.
E não tem jeito não, a única coisa é se mudar. Passamos o último ano em Detroit, EUA, num prédio, e tb tivemos alguns problemas com barulho, mas nada que se compare. Eu só não entendo como as pessoas não conseguem respeitar os direitos dos outros...
www.escrevalolaescreva.blogspot.com

nora borges disse...

Mulher de Deus, saiba que eu sou solidária com todo mundo que tem vizinho...pois passei ( quase ) a vida sem vizinhos e era ( é.) ótimo!
Mas esse negócio de mexer móveis durante a madrugada me parece muito estranho. Minha sogra, de 86 anos, foi denunciada pelo vizinho de baixo pelo mesmo motivo e a pobre mulher nao arrasta nem o chinelo! Foi denunciada por " escândalo público" e o sujeito jura que ela arruma a casa de madrugada! Ele inferniza a vida dela, deixa ela nervosa, ansiosa...

Nao sei o que passa com ele... mas a pobre mulher nao arrasta móveis de noite... nem de dia!

Kenia disse...

Jr, não tem ninguém na nossa família que seja vacinado contra raiva. ;)
Beijos.

José Luís, se eu tivesse a certeza da impunidade, pode crer que eu faria. :P

Fábio, essa do mal-assombro eu perguntei para ele no dia que falamos no interfone e ele disse que não era de lá.
E, olhe, mudar pro meio do mato está fora de questão: sou uma criatura alérgica e urbana, infelizmente.

Maurício, seja bem-vindo, fio!
Eu sei, querido, tudo poderia ser pior, mas enquanto não é, a gente segue reclamando. Hehehe
Beijo.

Lola, eu também fico impressionada com a falta de educação das pessoas. Aqui em casa, quando chegamos da rua de madrugada, por exemplo, a primeira coisa que faço é tirar os sapatos antes de entrar em casa para não perturbar o vizinho de baixo com toc toc de salto. Putz! E é isso que dá mais raiva: você fazer tudo, inclusive orientar uma criança de 4 anos para respeitar os vizinhos e ser sistematicamente desrespeitada. Por isso que qualquer dia eu ainda digo pro véio: cuidado que você ainda não me viu louca. Hohoho
Beijo.

Nora, parece pinimba, mas o daqui de cima arrasta, fia, e não é pouco.
Beijo.

Mani disse...

Querida, minha vizinha de cima é maluca! E tem um filho que joga blonhas de gude de madrugada (só isso explicaria o barulho que vem de lá!) E eu que vivo brigando com marido, cachorra, crianças pra que o apartamento seja silencioso. E vários vizinhos odeiam essa vizinha, o que me conforta, porque sei que não é implicancia minha! Se eu encontrar uma boa forma de descarrego dela, eu juro que faço!!!

Coronel Yanossauro disse...

Seio não... O problis é que o tal do véio talvez esteja certo, pois esse arrasta-arrasta se propaga pela estrutura do prédio. Já perguntastes aos outros vizinhos sobre o malassombro? Acho que acabo de fazer uma pergunta redundante, mas...
Minha opção de morar na fazenda foi menos ditada por vizinhos do que por exigências profissionais, já que tenho que ficar por perto de meus negócios, mas concordo com Lola que casa tem desvantagens (e ela topou com uma que eu achava inpossível, vizinhos desordeiros em Joinville), mas acho que as vantagens as superam. Principalmente o espaço pra horta e pros cães e crianças. Mas isso é uma questão de opção pessoal, né?
Agora, vou te repetir a sugestão: Cola uma placa de ferro no teto do quarto e passa a noite furando-a com uma furadeira de impacto. Comece quando ele se aquietar do arrasta-arrasta (ou seja, quando ele for dormir). Quando ele reclamar, chame-o de doido. Sugira a ele que se mude. Quando o resto do prédio reclamar do fura-fura (no mal sentido) de madrugada, diga que tambem não consegue dormir com isso e diga que foi o véio. Quem sabe assim não resolves o próblis?

bmqyo

Kenia Mello disse...

Mani, quando você encontrar, avise e passe a receita, passo a passo.

Yano, puta que pariu, todo mundo me faz essa pergunta! Claro que é de lá, fio. Sou craque no radar. Barulho de furadeira e martelo engana, mas de arrastar de móveis, não: é em cima da minha cabeça, esse menino, não tem erro.
Ainda mato esse véio!
E morar em casa realmente tem as suas vantagens: fui criada em uma e sei disso. Mas casa, aqui em Recife, é impraticável (assaltos).
Beijo.

Fabiane disse...

Nossa, seu blog me deixou muito mais tranquila, pois faz 5 mêses que aguento um pentelho de 4 anos pular e correr a todo o momento, fora os pais que arrastam e batem coisas e calcanhares no chão desde as 7 da matina...Não sei mais o que fazer, já reclamei e ela também diz que não é de lá e que não pode dizer não pra criança...Socorro!!!!