quinta-feira, 11 de agosto de 2011

A primeira DR



Pois é, apesar das trocentas recomendações, Mariana só se segurou no primeiro dia. No dia seguinte à chegada de Dropje, ela já não se controlava mais e ficava nos calcanhares do gato a todo instante. E parecia que o danado estava gostando, pois, quando não estava dormindo (e eu em cima pra ela não acordá-lo...), estava do lado da criatura humana.

E assim se passaram dez anos os dias, até que ontem o par entrou na primeira crise: o gato vomitou. Até aí nada anormal, todo gato vomita os pêlos que lambe e ela sabe disso. Só que ele vomitou no quarto dela, perto da cama (nem preciso dizer quem limpou, né? Detalhes...) e a menina é enjoada com cheiro ruim, nojeira, essas coisas. Mas tudo bem, entendeu que faz parte, embora tenha ficado meio chateada.

Só que, desde ontem, o gato aparenta estar meio de saco cheio de tanta perseguição e tem se escondido debaixo de nossa cama, o único lugar que ele sabe ser à prova de Maricota -- se bem que ela tenta, mas como a cama é grande e ele sempre fica numa quina meio inacessível, vai se safando...

Hoje, quando voltamos do dentista (meu tratamento), ela chegou toda cheia de amor pra dar e foi acordar o gato. Ele, que não gostou da graça, correu pra debaixo da cama. Aí a revolta se apossou da pessoinha: correu pro quarto, pegou o quebra-cabeças de 200 peças, abriu o tapete do puzzle e começou a montá-lo, mas não sem antes fazer uma barricada na sala pro gato não chegar junto e danou-se a reclamar:



Esse gato agora vai ver quem vai fazer carinho nele. Pode ficar debaixo da cama que eu nem ligo. Pode devolver ele agora, mãe. Mas, Mariana, ele está se escondendo porque você não dá paz e ele precisa dormir. Quem manda ele trocar a noite pelo dia? E se ele quer paz, vá de volta pra casa dele. Pensem numa DR infeliz e unilateral (como quase todas, rá!)! E eu quase me estourando de rir, mas fazendo a séria porque se eu risse, ela ia ficar com mais raiva ainda.

E o gato, claro, continua debaixo da cama.



Só estou admirada que ele não tenha ainda dado nenhuma mordida ou arranhada. Mas a paciência dele deve estar por um fio. A minha, no seu lugar, estaria.




7 comentários:

Anônimo disse...

Eu não sei de qual dos dois tenho mais pena... rsrsrsrs

Bjos e []s

Ivette Góis

Line disse...

Hahaha! Eu ri!
Imagino a cara da sua filha muito puta com o gato, e imagino o coitado de saco cheio dos carinhos dela!
Mas vou confessar uma coisas: eu também torro o saco da minha cachorrinha, ela chega a rosnar pra mim de vez em quando. Ela fica toda irritadinha e eu acho tão bonitinho, rs, coisa de gente doida mesmo.

Beijos e bom finde!

Kenia Mello disse...

Hoje a coisa está normal, ela dando o tempo dele, o danado até que corresponde em carinho e paciência. :)

Beijos pra vocês.

Nei kS disse...

o que é dr?

Kenia Mello disse...

DR = Discutir a Relação. ;)

Nei kS disse...

Tspi? Tem sigla pra isso?

Kenia Mello disse...

Tspi?